O que é o vírus da Zika?

Até pouco tempo desconhecido por grande parte da população, o vírus da Zika está cotado, infelizmente, a ser um dos grandes protagonistas deste novo ano. Embora seus sintomas não sejam graves, este vírus emergente pode estar sendo o responsável (aparentemente) por mais de 4.000 novos casos de microcefalia, isso apenas no Brasil.

O vírus, que é transmitido através da picada de um mosquito, já está presente em mais de 20 países na África, América Latina, Ásia e no Pacífico.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) adverte que o nível de alerta é extremamente elevado.

Como o vírus é transmitido?

mosquito-1

Mosquito Aedes Aegypti

 

Capaz de adaptar-se e sobreviver a condições de alta adversidade.

Só pica ao amanhecer e ao entardecer.

Pode transmitir os vírus da dengue, febre amarela, chikungunya e Zika

O mosquito Aedes Aegypti, o principal transmissor do vírus a seres humanos, já foi responsável por grandes epidemias de dengue e febre amarela nos séculos XVII e XIX. Embora o mosquito tigre asiático (Aedes albopictus) seja um parente próximo e, teoricamente, possa transmitir o vírus, seria necessário que muitas pessoas infectadas fossem mordidas por ele, a fim de que pudesse espalhar o vírus para outros mosquitos saudáveis. Sendo assim, atualmente, não existe um fator de risco para nosso país.

Pode ser transmitido através de relações sexuais?

Embora a OMS já tenha alertado de que são necessárias provas conclusivas para afirmar que o vírus possa ser transmitido através de relações sexuais, foi realizado um estudo no Taiti, em dezembro de 2013, onde o vírus pôde ser isolado dentro do sêmen de um paciente.

Porém, recentemente, houve a primeira ocorrência da contaminação de zika através de relação sexual em um morador de Dallas, nos Estados Unidos, que teve relações sexuais com uma pessoa que estava infectada pela picada do mosquito, quando foi visitar outro país. A partir deste caso, a OMS adverte, portanto, que o único meio eficaz de combater a propagação da doença, além da abstinência sexual, é o uso de preservativos.

De todo modo, os pesquisadores ainda não têm certeza quanto ao tempo que o vírus consegue permanecer ativo no sêmen ou se ele pode ser encontrado na secreção vaginal das mulheres. Por isso, embora eles não tenham uma clara evidência indicando que as relações sexuais sejam um fator de risco para se contrair a doença, é necessário tomar precauções.

Quais os sintomas do vírus da Zika?

febre

Febre

Febre e mal-estar generalizado

dolor

Dor

Dor de cabeça e possíveis dores abdominais

Conjuntivite

Conjuntivite

Vermelhidão e coceira
nos olhos

Erupções

Erupções

Manchas pequenas e
avermelhadas por sobre a pele

Os sintomas do vírus da Zika são, na maioria dos casos, leves e muito parecidos com os de outras infecções, como a dengue. A verdade é que a maioria das pessoas que possam vir a contrair o vírus no futuro sequer vai saber que o tinham, porque somente 1 em cada 5 pessoas desenvolvem os sintomas da doença.

Com um período de incubação de 2 a 12 dias após a picada do mosquito, os sintomas geralmente desaparecem depois de 1 semana. A possibilidade de que a doença se agrave e haja necessidade de internação é rara, porém acaba sendo mais mortal.

Diagnóstico e tratamento

Atualmente não dispomos de nenhum tratamento ou vacina contra o vírus da Zika

Apenas pode ser diagnosticado através de um exame de PCR (proteína C reativa) para verificar se há inflamação no corpo, já que a maioria dos casos é assintomática. Nos casos em que são visíveis alguns dos sintomas, ainda assim, eles podem facilmente ser confundidos com casos de dengue ou chikungunya que, como vimos, são doenças que também são transmitidas através do mosquito Aedes Aegypti e nas mesmas regiões onde o Zika vírus está sendo transmitido.

Como é detectado?

Exame PCR do material genético presente no sangue

Detecção de anticorpos no sangue

Qual o melhor tratamento?

Descansar e repousar

Beber muita água

Tomar analgésicos (evitar anti-inflamatórios)

O que podemos fazer para evitar a doença?

Para evitar a propagação da doença, além de evitar aquelas regiões já conhecidas por abrigar uma alta concentração de mosquitos, é necessário seguir apenas algumas dicas bem simples:

Utilizar repelentes

É necessário o uso contínuo para uma proteção maior e mais eficaz.

Os repelentes mais eficazes são os que contêm Icaridina, IR3535 e DEET.

Vestir roupas claras

Além de roupas claras é recomendado usar mangas e calças compridas.

As roupas escuras retêm o dióxido de carbono do corpo (o que atrai mosquitos).

Barreiras físicas

O uso de telas à prova de mosquitos nas portas e janelas é fundamental para a proteção.

No caso de relações sexuais, também é necessário o uso de preservativos.

Quais são os países de risco?

As últimas contagens indicam que existem mais de 20 territórios afetados pelo vírus Zika, sendo o Brasil e a Colômbia os principais focos da doença. Hoje, os países que têm casos confirmados e que representam risco são:

image/svg+xml Blank World Map
  • México
  • Guatemala
  • República do Salvador
  • Panamá
  • Colômbia
  • Ecuador
  • Bolívia
  • Paraguai
  • Brasil
  • Suriname
  • Guiana
  • Guiana Francesa
  • Venezuela
  • Haiti
  • Porto Rico
  • St. Martin
  • Rep. Dominicana
  • Martinica
  • Barbados
  • Honduras

Além disso, a Europa e os Estados Unidos também detectaram casos nos seguintes países:

  • Espanha
  • Dinamarca
  • Reino Unido
  • Áustria
  • Portugal
  • EUA

Microcefalia e o risco durante a gestação

O número de recém-nascidos com microcefalia aumentou em 20 vezes desde maio de 2015. A ideia de que existe uma relação direta entre contrair o vírus da Zika durante os primeiros meses de gestação e uma maior taxa de microcefalia é, portanto, mais do que compreensível. Embora esta hipótese não tenha sido comprovada e que a OMS ainda não tenha se pronunciado a favor desta teoria, a relação entre o vírus da Zika e a microcefalia tornou-se ainda mais plausível quando o genoma do vírus foi detectado no líquido amniótico de mulheres grávidas que tiveram contato com o vírus da Zika.

Trata-se de uma anomalia neurológica cujo sintoma mais evidente é a cabeça do recém-nascido ser menor do que o comum, o que faz com que o desenvolvimento do cérebro também seja inferior e, portanto, esteja associado com o retardo mental (além de outros sintomas, tais como hiperatividade ou convulsões).

Últimos surtos do vírus da Zika

Desde o primeiro caso registrado em 1947, quando o vírus foi isolado a partir de um macaco “Rhesus” na floresta de Zika (Uganda), houve um total de 3 surtos relevantes de febre pelo vírus da Zika. Será que o surto atual de 2016 é o maior desde então?

Primeiro caso do vírus da Zika (isolado a partir de um macaco “Rhesus”).

Detectado o primeiro caso em seres humanos.

Primeiro surto na Ilha de Yap (Micronésia).

Surto na Polinésia Francesa (identificados mais de 10.000 casos, 70 deles graves).

Surtos no Nordeste do Brasil, na Colômbia e no Cabo Verde.

A OMS anuncia que os casos de microcefalia que têm aparecido no Brasil constituem uma calamidade de saúde pública (mas não o vírus da Zika, por não ter sido ainda provada a relação entre ambos).

Qual é a situação atual e o que poderá acontecer?

A OMS elevou o alerta


A situação atual do vírus Zika e sua veloz propagação levaram à OMS a determinar o nível de alerta em um nível extremamente alto. O que começou como uma ameaça leve tornou-se uma ameaça significativa para a população e, portanto, é necessário que todos os países tomem as medidas necessárias (o que já está sendo feito) para evitar que a epidemia se transforme em uma pandemia.

Os JJ.OO. do Rio 2016


O surto atual do vírus tem também, além do mais, um inimigo que pode vir a complicar um pouco as coisas. Com a proximidade das Olimpíadas do Brasil, teme-se que o grande fluxo de público e visitantes para o país em agosto 2016 venha a espalhar o vírus da Zika pelo mundo todo rapidamente.
Inclusive, devido a alguns estudos relacionarem o vírus da Zika com a ocorrência de microcefalia em bebês, as autoridades do país recomendam que as mulheres grávidas não viajem para os Jogos Olímpicos Rio-2016 para evitar possíveis complicações durante a gestação e, assim, evitar possíveis riscos para o feto.

recuerda

No entanto, e como foi dito acima, os sintomas do vírus da Zika são brandos para as mulheres que não estão grávidas e, evidentemente, para os homens (por isso, além da prevenção, não é necessário criar alarde social).

Lembra!

Finalmente, vamos recordar alguns pontos que nos ajudarão a sermos otimistas, mesmo que haja um surto no mundo todo:

probabilidad-2

Apenas 1 em cada 5 pessoas apresenta os sintomas da doença

sintomas

Os sintomas são brandos e tratados com repouso e analgésicos